Boris Petri

 
·      Prêmio Desenho/ Concurso
Universidade Federal do Rio de Janeiro
UFRJ - FAU- Rio de Janeiro - 1960
 
·      Exposição Coletiva
Exposição Coletiva – Galeria do Instituto de Artes da Universidade Nacional de Brasília UnB – Brasilia - 1963
 
·      Prêmio Imagem Artística para Selo - Desenho
Cia Siderúrgica Nacional
CSN – Volta Redonda - 1965
 
·      Coletiva de Desenho no Espaço Cultural
Pontifícia Universidade Católica de Campinas
PUCC – Campinas - 1988
 
·      Individual Desenho no Espaço Cultural
Pontifícia Universidade Católica de Campinas
PUCC – Campinas - 1989
 
·      Mostra Coletiva de Desenho
Galeria DAU AL SETE
Amparo – SP - 2010
 
·      Exposição Individual
Galeria DAU AL SETE
Amparo – SP - 2012
 

Extracurricular

 
Arquiteto e Artista Plástico no campo do desenho
Arquiteto pela UFRJ com Pós Graduação e Especialização
Autor de expressivos projetos arquitetônicos criativos e de recuperação
Arquiteto junto à Companhia Siderúrgica Nacional CSN,
Arquiteto do Metrô de São Paulo
Superintendente da PRODAM da Prefeitura de Americana - SP
Secretário de Obras da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Professor Titular da FAU PUCC
Vencedor do II Prêmio Light de Energia na Edificação
 


A instigante obra de Boris
 
E um prazer apresentar a Amparo esta exposição do colega Boris Petri.
A sensação que tenho é a de ter encontrado um diamante perdido no tempo. A obra de Boris apresenta o conjunto de experimentações referentes as múltiplas complexidades do comportamento humano, em um cenário que indica uma singular marca estética da contemporaneidade brasileira. As imagens desenhadas registram veladamente misteriosos universos que se integram revelando segredos, anseios e desejos oblíquos, em situações minuciosamente montadas. Fica claro, portanto, que o artista pensa e projeta metaforicamente um
futuro sensível, mas armado diante de ocasiões banais e sufocantes do cotidiano da vida, tentando assim resgatar causas instaladas, enraizadas e incrustadas em um mundo que parece implorar veementemente pela renovação constante dos paradigmas estabelecidos.
Percebo que a obra de Boris deseja sempre falar do ser humano e tudo aquilo que o cerca, agregando a isso uma técnica primorosa, apurada e sedutora com um conceito impar. Vale a pena mergulhar nesse sonho poético, rico e prazeroso de tanta indagação e beleza. Com tudo isso, estou convencido de que o desafio de agora apresenta-lo será um importante estimulo para o artista e para todos nós, pelos resultados desta obra cujo recorte estético faz parte de alguns expressivos momentos de sua vida pessoal e poética.
Assim, todos nós ganhamos.
Aicindo Moreira Fiiho .
Prof. Dr. Livre Docente do lnstituto de Artes da Universidade Estadual.